[svnbook-pt-br commit] r37 - trunk/book

codesite-noreply at google.com codesite-noreply at google.com
Mon Mar 17 06:10:48 CDT 2008


Author: ccidral.newsbox
Date: Mon Mar 17 04:10:43 2008
New Revision: 37

Modified:
   trunk/book/foreword.xml

Log:
* foreword.xml:
  Altera codificação do arquivo de ANSI para UTF-8 (sem BOM).

Modified: trunk/book/foreword.xml
==============================================================================
--- trunk/book/foreword.xml	(original)
+++ trunk/book/foreword.xml	Mon Mar 17 04:10:43 2008
@@ -8,7 +8,7 @@
 A foreword is an introductory statement written by someone other
 than the book's author.
 A preface is an introductory statement written by the book's author.
-So I think that "Apresenta��o" it would be a nice translation from Foreword.
+So I think that "Apresentação" it would be a nice translation from Foreword.
 
 Herrera
 -->
@@ -20,15 +20,15 @@
       <firstname>Karl</firstname>
       <surname>Fogel</surname>
     </author>
-    <pubdate>Chicago, 14 de Mar�o de 2004</pubdate>
+    <pubdate>Chicago, 14 de Março de 2004</pubdate>
   </prefaceinfo>
 
-  <title>Apresenta��o</title>
+  <title>Apresentação</title>
 
-  <para>Uma base ruim de Perguntas Freq�entes (FAQ), � aquela que �
-    composta n�o de perguntas que as pessoas realmente fizeram, mas
+  <para>Uma base ruim de Perguntas Freqüentes (FAQ), é aquela que é
+    composta não de perguntas que as pessoas realmente fizeram, mas
     de perguntas que o autor da FAQ <emphasis>desejou</emphasis> que
-    as pessoas tivessem feito. Talvez voc� j� tenha visto isto antes:</para>
+    as pessoas tivessem feito. Talvez você já tenha visto isto antes:</para>
 
   <blockquote>
     <para>P: De que forma posso utilizar o Glorbosoft XYZ para
@@ -37,59 +37,59 @@
 
   <blockquote>
     <para>R: Muitos dos nossos clientes desejam saber como podem
-      maximizar a produtividade atrav�s de nossas inova��es
-      patenteadas de groupware para escrit�rios.  A resposta �
+      maximizar a produtividade através de nossas inovações
+      patenteadas de groupware para escritórios.  A resposta é
       simples: primeiro, clique no menu 
-      <quote><literal>Arquivo</literal></quote>. Des�a at� a op��o
+      <quote><literal>Arquivo</literal></quote>. Desça até a opção
       <quote><literal>Aumentar Produtividade</literal></quote>,
-      ent�o…</para>
+      então…</para>
   </blockquote>
 
-<!-- Nesta se��o tinha um termo "Field Naturalist" que eh uma esp�cie de 
-     cientista bi�logo. Achei melhor ficar s� com o termo cientista.
+<!-- Nesta seção tinha um termo "Field Naturalist" que eh uma espécie de 
+     cientista biólogo. Achei melhor ficar só com o termo cientista.
 -->
 
-  <para>O problema com estas bases de FAQ � que eles n�o s�o,
-    propriamente ditas, FAQ.  Ningu�m nunca liga para o suporte
-    t�cnico e pergunta <quote>Como n�s podemos maximizar a
+  <para>O problema com estas bases de FAQ é que eles não são,
+    propriamente ditas, FAQ.  Ninguém nunca liga para o suporte
+    técnico e pergunta <quote>Como nós podemos maximizar a
     produtividade?</quote>.  Em vez disso, as pessoas fazem perguntas
-    muito mais espec�ficas, como: <quote>Como podemos alterar o
-    sistema de calend�rio para enviar lembretes dois dias antes ao
-    inv�s de um?</quote>, etc.  Mas � muito mais f�cil forjar
-    Perguntas Freq�entes imagin�rias do que descobrir as
+    muito mais específicas, como: <quote>Como podemos alterar o
+    sistema de calendário para enviar lembretes dois dias antes ao
+    invés de um?</quote>, etc.  Mas é muito mais fácil forjar
+    Perguntas Freqüentes imaginárias do que descobrir as
     verdadeiras.  Compilar uma verdadeira base de FAQ exige um
-    esfor�o cont�nuo e organizado: atrav�s do ciclo de vida do
-    software, as quest�es que chegam devem ser rastreadas, respostas
+    esforço contínuo e organizado: através do ciclo de vida do
+    software, as questões que chegam devem ser rastreadas, respostas
     monitoradas, e tudo deve ser reunido em um todo coerente,
-    pesquis�vel que reflete a experi�ncia coletiva dos usu�rios
-    em seu mundo.  Isto requer a paci�ncia e a atitude observadora de
-    um cientista.  Nenhuma grande teoria ou pronunciamentos vision�rios
-    aqui—olhos abertos e anota��es precisas s�o o principal.</para>
-
-  <para>O que eu amo neste livro � que ele surgiu deste processo, e
-    isto � evidenciado em cada p�gina.  Ele � o resultado direto dos
-    encontros entre os autores e usu�rios.  Ele come�ou quando Ben
+    pesquisável que reflete a experiência coletiva dos usuários
+    em seu mundo.  Isto requer a paciência e a atitude observadora de
+    um cientista.  Nenhuma grande teoria ou pronunciamentos visionários
+    aqui—olhos abertos e anotações precisas são o principal.</para>
+
+  <para>O que eu amo neste livro é que ele surgiu deste processo, e
+    isto é evidenciado em cada página.  Ele é o resultado direto dos
+    encontros entre os autores e usuários.  Ele começou quando Ben
     Collins-Sussman observou que as pessoas estavam fazendo as mesmas
-    perguntas b�sicas diversas vezes nas listas de discuss�o
-    do Subversion, como por exemplo: Quais s�o os
-    procedimentos-padr�o para se utilizar o Subversion?
+    perguntas básicas diversas vezes nas listas de discussão
+    do Subversion, como por exemplo: Quais são os
+    procedimentos-padrão para se utilizar o Subversion?
     Branches e tags funcionam do mesmo modo como em outros sistemas
-    de controle de vers�o?  Como eu posso saber quem realizou uma
-    altera��o em particular?</para>
+    de controle de versão?  Como eu posso saber quem realizou uma
+    alteração em particular?</para>
 
-  <para>Frustrado em ver as mesmas quest�es dia ap�s dia, Ben
-    trabalhou intensamente durante um m�s no ver�o de 2002 para
+  <para>Frustrado em ver as mesmas questões dia após dia, Ben
+    trabalhou intensamente durante um mês no verão de 2002 para
     escrever <citetitle>The Subversion Handbook</citetitle>, um
-    manual de sessenta p�ginas cobrindo todas as funcionalidades
-    b�sicas do Subversion.  O manual n�o tinha a pretens�o de ser
-    completo, mas ele foi distribu�do com o Subversion e auxiliou os
-    usu�rios a ultrapassarem as dificuldades iniciais na curva de
+    manual de sessenta páginas cobrindo todas as funcionalidades
+    básicas do Subversion.  O manual não tinha a pretensão de ser
+    completo, mas ele foi distribuído com o Subversion e auxiliou os
+    usuários a ultrapassarem as dificuldades iniciais na curva de
     aprendizado.  Quando a O'Reilly and Associates decidiu publicar
-    um livro completo sobre o Subversion, o caminho menos cr�tico
-    estava �bvio: apenas estender o manual.</para>
+    um livro completo sobre o Subversion, o caminho menos crítico
+    estava óbvio: apenas estender o manual.</para>
 
-  <para>Para os tr�s co-autores do novo livro ent�o lhes foi dada uma
-    oportunidade �mpar.  Oficialmente, sua tarefa era escrever um
+  <para>Para os três co-autores do novo livro então lhes foi dada uma
+    oportunidade ímpar.  Oficialmente, sua tarefa era escrever um
     livro top-down, starting from a table of contents and an initial draft.  But they also had access to a steady
     stream—indeed, an uncontrollable geyser—of bottom-up
     source material.  Subversion was already in the hands of
@@ -98,44 +98,44 @@
     documentation.</para>
 
   <para>Durante todo o tempo em que eles escreveram o livro, Ben,
-    Mike, e Brian habitaram as listas de discuss�o e salas de
+    Mike, e Brian habitaram as listas de discussão e salas de
     bate-papo do Subversion, registrando cuidadosamente os problemas
-    que os usu�rio estavam tendo em situa��es na vida-real.
-    Monitorar este feedback, fazia parte da descri��o de sua fun��o
+    que os usuário estavam tendo em situações na vida-real.
+    Monitorar este feedback, fazia parte da descrição de sua função
     na CollabNet, e isto lhes deu uma enorme vantagem quando
-    come�aram a documentar o Subversion.  O livro que eles produziram
-    � solidamente fundamentado na rocha da experi�ncia, n�o nas
-    areias mut�veis da ilus�o; ele combina os melhores aspectos de um
-    manual de usu�rio e uma base de FAQ.  Esta dualidade talvez n�o
-    seja percept�vel numa primeira leitura.  Lido na ordem, de frente
-    para tr�s, o livro � uma descri��o bem direta de uma pe�a de
-    software.  Existe a vis�o geral, o obrigat�rio tour, o cap�tulo
-    sobre configura��o administrativa, alguns t�picos avan�ados, e �
-    claro uma refer�ncia de comandos e um guia de resolu��o de
-    problemas.  Somente quando voc� o ler novamente mais tarde,
-    procurando a solu��o para um problema espec�fico, � que sua
-    autenticidade reluzir�: the telling details that can only result from encounters
+    começaram a documentar o Subversion.  O livro que eles produziram
+    é solidamente fundamentado na rocha da experiência, não nas
+    areias mutáveis da ilusão; ele combina os melhores aspectos de um
+    manual de usuário e uma base de FAQ.  Esta dualidade talvez não
+    seja perceptível numa primeira leitura.  Lido na ordem, de frente
+    para trás, o livro é uma descrição bem direta de uma peça de
+    software.  Existe a visão geral, o obrigatório tour, o capítulo
+    sobre configuração administrativa, alguns tópicos avançados, e é
+    claro uma referência de comandos e um guia de resolução de
+    problemas.  Somente quando você o ler novamente mais tarde,
+    procurando a solução para um problema específico, é que sua
+    autenticidade reluzirá: the telling details that can only result from encounters
     with the unexpected, the examples honed from genuine use cases,
     and most of all the sensitivity to the user's needs and the
     user's point of view.</para>
 
-  <para>� claro, que ningu�m pode prometer que este livro responder�
-    todas as d�vidas que voc� tem sobre o Subversion.  Certas vezes,
-    a precis�o com que ele antecipa suas perguntas parecer�
-    assustadoramente telep�tica; ainda sim, ocasionalmente, voc� will stumble into a
-    hole no conhecimento da comunidade, e sair� de m�os-vazias.
-    Quando isto acontecer, a melhor coisa que voc� pode fazer �
+  <para>É claro, que ninguém pode prometer que este livro responderá
+    todas as dúvidas que você tem sobre o Subversion.  Certas vezes,
+    a precisão com que ele antecipa suas perguntas parecerá
+    assustadoramente telepática; ainda sim, ocasionalmente, você will stumble into a
+    hole no conhecimento da comunidade, e sairá de mãos-vazias.
+    Quando isto acontecer, a melhor coisa que você pode fazer é
     enviar um email para <email>users at subversion.tigris.org</email> e
-    apresentar seu problema.  Os autores ainda est�o l�, continuam
-    observando, e n�o somente os tr�s listados na capa, mas muitos
-    outros que contribu�ram com corre��es e materiais originais.
-    Do ponto de vista da comunidade, resolver o seu problema �
-    meramente um agrad�vel efeito de um projeto muito maior—namely,
+    apresentar seu problema.  Os autores ainda estão lá, continuam
+    observando, e não somente os três listados na capa, mas muitos
+    outros que contribuíram com correções e materiais originais.
+    Do ponto de vista da comunidade, resolver o seu problema é
+    meramente um agradável efeito de um projeto muito maior—namely,
     slowly adjusting this book, and ultimately Subversion itself, to
     more closely match the way people actually use it.  They are
     eager to hear from you not merely because they can help you, but
     because you can help them.  Com o Subversion, assim como em todo
-    projeto ativo de software livre, <emphasis>voc� n�o est�
+    projeto ativo de software livre, <emphasis>você não está
     sozinho</emphasis>.</para>
 
   <para>Que este livro seja seu primeiro companheiro.</para>




More information about the svn-pt_br mailing list