[svnbook-pt-br commit] r286 - trunk/book

codesite-noreply at google.com codesite-noreply at google.com
Sun Nov 23 01:11:32 CST 2008


Author: mfandrade
Date: Sat Nov 22 23:10:34 2008
New Revision: 286

Modified:
    trunk/book/ch03-advanced-topics.xml

Log:
Revisão ortográfica automatizada (via aspell) do capítulo 3 - Tópicos  
Avançados.

Modified: trunk/book/ch03-advanced-topics.xml
==============================================================================
--- trunk/book/ch03-advanced-topics.xml	(original)
+++ trunk/book/ch03-advanced-topics.xml	Sat Nov 22 23:10:34 2008
@@ -519,9 +519,9 @@

        <para>Há algumas restrições sobre os nomes que você pode usar para
          propriedades.  Um nome de propriedade deve começar com uma
-        letra, dois-pontos (<literal>:</literal>), ou um caracter
+        letra, dois-pontos (<literal>:</literal>), ou um caractere
          sublinha (<literal>_</literal>); e depois disso, você também
-        pode usar dígitos, hífens (<literal>-</literal>), e pontos
+        pode usar dígitos, hifens (<literal>-</literal>), e pontos
          (<literal>.</literal>).
            <footnote>
              <para>Se você é familiarizado com XML, este é exatamente o
@@ -652,7 +652,7 @@
          propriedades enquanto estiver em uma cópia de trabalho do
          repositório cuja propriedade de revisão você queira alterar.
          Por outro lado, você pode apenas especificar a URL de qualquer
-        caminho de seu interesse no repositório (incluindo a URL raíz
+        caminho de seu interesse no repositório (incluindo a URL raiz
          do repositório).  Por exemplo, você pode querer trocar a
          mensagem de log de um registro de alteração de uma revisão
          existente.
@@ -975,7 +975,7 @@
            navegadores que eles estavam baixando um arquivo, assim o  
navegador
            poderia fazer algo inteligente com esta informação, quer seja  
para
            exibir os dados usando um programa registrado para lidar com este
-          tipo de dados, quer seja para solicitar ao usário onde armazenar
+          tipo de dados, quer seja para solicitar ao usuário onde armazenar
            os dados baixados.</para>

          <para>Finalmente, um padrão surgiu para, entre outras coisas,
@@ -1041,7 +1041,7 @@
          o conceito de bit de permissão para executável, como, por exemplo,
          FAT32 e NTFS.
          <footnote>
-          <para>Os sitemas de arquivos do Windows usam extensões de arquivo
+          <para>Os sistemas de arquivos do Windows usam extensões de  
arquivo
            (tais como <literal>.EXE</literal>, <literal>.BAT</literal>, e
              <literal>.COM</literal>) para indicar arquivos
              executáveis.</para>
@@ -1114,7 +1114,7 @@
          tudo mais.</para>

        <para>O resultado de cenários como estes incluem perda de tempo
-        e modificções desnecessárias aos arquivos submetidos.  A perda de  
tempo
+        e modificações desnecessárias aos arquivos submetidos.  A perda de  
tempo
          é suficientemente dolorosa.  Mas quando submissões mudam cada uma  
das linhas
          em um arquivo, isso dificulta o trabalho de determinar quais dessas
          linhas foram modificadas de uma forma não trivial.  Onde o bug
@@ -1253,7 +1253,7 @@
        os filtros encontrados na propriedade <literal>svn:ignore</literal>
        aplicam-se somente ao diretório no qual esta propriedade está
        definida, e em nenhum de seus subdiretórios.  A propriedade
-      <literal>svn:ignore</literal> é uma boa meneira para dizer ao
+      <literal>svn:ignore</literal> é uma boa maneira para dizer ao
        Subversion ignorar arquivos que estão susceptíveis a estarem  
presentes em
        todas as cópias de trabalho de usuário deste diretório, assim como  
as saídas
        de compilador ou—para usar um exemplo mais apropriado para este
@@ -1262,7 +1262,7 @@
        formato de saída mais legível.</para>

      <note>
-      <para>O suporte do Subversion para filtros de arquivos ignoráveis  
extende
+      <para>O suporte do Subversion para filtros de arquivos ignoráveis  
estende
          somente até o processo de adicionar arquivos e diretórios
          não versionados ao controle de versão.  Desde que um objeto está
          sob o controle do Subversion, os mecanismos de filtro de ignoração  
já
@@ -1293,7 +1293,7 @@
        <para>Existem, entretanto, algumas diferenças nos meios que CVS
          e Subversion manipulam filtros de rejeição.  Os dois sistemas usam
          os filtros de rejeição em tempos um pouco diferentes, e existem
-        legeiras discrepâncias na aplicação dos filtros de rejeição.
+        ligeiras discrepâncias na aplicação dos filtros de rejeição.
          Além disso, o Subversion não reconhece o uso do filtro
          <literal>!</literal> como uma redefinição que torna os filtros
          seguintes como não-ignorados.</para>
@@ -1361,7 +1361,7 @@
  </screen>

      <para>Agora, todas aqueles resíduos não são apresentados nos  
resultados!  Certamente,
-      seu programa compidado <filename>calculator</filename> e todos  
aqueles
+      seu programa compilado <filename>calculator</filename> e todos  
aqueles
        arquivos de registro estão ainda em sua cópia de trabalho.  O  
Subversion está
        simplesmente não lembrando você que eles estão presentes e  
não-versionados.
        E agora com todos os arquivos desinteressantes removidos dos  
resultados,
@@ -1506,7 +1506,7 @@
      <para>Muitas das descrições anteriores usam a frase <quote>último
        valor conhecido</quote> ou algo parecido.  Tenha em mente que
        a expansão da palavra-chave é uma operação no lado do cliente, e seu  
cliente
-      somente <quote>conhece</quote> sobre mudanças que tenham ocoridas no
+      somente <quote>conhece</quote> sobre mudanças que tenham ocorrido no
        repositório quando você atualiza sua cópia de trabalho para incluir
        essas mudanças.  Se você nunca atualizar sua cópia de trabalho, suas
        palavras-chave nunca expandirão para valores diferentes, mesmo que  
esses
@@ -1541,7 +1541,7 @@
  Aqui está o mais recente relatório das linhas iniciais.
  $LastChangedDate$
  $Rev$
-Acúmulos de núvens estão aparecendo com mais freqüência quando o verão se  
aproxima.
+Acúmulos de nuvens estão aparecendo com mais freqüência quando o verão se  
aproxima.
  </programlisting>

      <para>Sem definir a propriedade <literal>svn:keywords</literal>
@@ -1585,7 +1585,7 @@
  Aqui está o mais recente relatório das linhas iniciais.
  $LastChangedDate: 2006-07-22 21:42:37 -0700 (Sat, 22 Jul 2006) $
  $Rev$
-Acúmulos de núvens estão aparecendo com mais freqüência quando o verão se  
aproxima.
+Acúmulos de nuvens estão aparecendo com mais freqüência quando o verão se  
aproxima.
  </screen>

      <para>Se agora alguém submeter uma mudança para
@@ -1672,7 +1672,7 @@
        submete o arquivo, teremos tudo bagunçado novamente.  No entanto, se
        você está usando o Subversion 1.2 ou superior, você pode usar a nova  
sintaxe
        para palavra-chave com tamanho fixo, definir algumas larguras de  
campo que
-      sejam razoáveis, e agora seu arquivo pode ter esta parência:</para>
+      sejam razoáveis, e agora seu arquivo pode ter esta aparência:</para>

      <screen>
  $Rev::               $:  Revisão da última submissão
@@ -1717,7 +1717,7 @@
          notariam o texto em UTF-8 quebrado e ainda considerem todo o  
arquivo
          como corrompido, recusando-se a operar sobre o arquivo de um
          modo geral.  Portanto, ao limitar palavras-chave para um tamanho  
fixo,
-        escollha um tamanho que permita este tipo de expansão ciente dos
+        escolha um tamanho que permita este tipo de expansão ciente dos
          bytes.</para>
      </warning>

@@ -1753,11 +1753,11 @@
        mesmo projeto, que faz parte do marketing paralelo para um
        automóvel mecânico.  O núcleo da concepção de um determinado
        cartaz é uma imagem de um carro que necessita de alguns reparos,  
armazenada em
-      um arquivo usando o formato de imagen PNG.  O leiaute do cartaz está
+      um arquivo usando o formato de imagem PNG.  O leiaute do cartaz está
        quase pronto, e tanto Harry quanto Sally estão satisfeitos com a
        foto que eles escolheram para o carro danificado—um Ford  
Mustang
        1967 azul bebê com uma parte infelizmente amassada no
-      para-lama dianteiro esquerdo.</para>
+      pára-lama dianteiro esquerdo.</para>

      <para>Agora, como é comum em trabalhos de desenho gráfico, existe uma  
mudança
        de planos que faz da cor do carro uma preocupação.  Então, Sally
@@ -1894,7 +1894,7 @@
          usuário é chamado de <firstterm>proprietário da trava</firstterm>.
          Cada trava também tem um identificador único, tipicamente uma longa
          cadeia de caracteres, conhecida como o <firstterm>sinal de
-        trava</firstterm>.  O repositoório gerencia as travas, basicamente
+        trava</firstterm>.  O repositório gerencia as travas, basicamente
          manipulando sua criação, aplicação e remoção.  Se qualquer
          transação de submissão tenta modificar ou excluir um arquivo  
travado
          (ou excluir um dos diretórios pais do arquivo), o
@@ -1993,18 +1993,18 @@
            dentro de uma cópia de trabalho.  Ele é prova de que a trava foi  
criada
            em uma cópia de trabalho específica, e não noutra qualquer por  
algum
            outro cliente.  Apenas se autenticando como o proprietário da  
trava
-          não é suficiente para previnir acidentes.</para>
+          não é suficiente para prevenir acidentes.</para>

          <para>Por exemplo, suponha que você travou um arquivo usando um  
computador em
-          seu escriório, mas deixou o trabalho antes de concluir
+          seu escritório, mas deixou o trabalho antes de concluir
            suas modificações para esse arquivo.  Não deveria ser possível
            acidentalmente submeter mudanças para esse mesmo arquivo do seu
            computador de casa mais tarde da noite, simplesmente porque você  
está
            autenticado como o proprietário da trava.  Em outras palavras, o  
sinal de
            trava previne uma parte do software relacionado ao Subversion de
            invadir o trabalho do outro.  (Em nosso exemplo, se você
-          realmente procisa modificar o arquivo de uma cópia de trabalho  
alternativa,
-          você precisaria <firstterm>parar</firstterm> a trava e re-travar  
o
+          realmente precisa modificar o arquivo de uma cópia de trabalho  
alternativa,
+          você precisaria <firstterm>parar</firstterm> a trava e retravar o
            arquivo.)</para>

        </sidebar>
@@ -2047,7 +2047,7 @@
          trabalho (ou lista de alvos, se você fornecer uma lista desse  
tipo) por
          modificações locais, e envia todos os sinalizadores de trava
          encontrados durante esta caminhada para o servidor como parte da
-        transação de submissão.  Após a submissão concluir com successo,
+        transação de submissão.  Após a submissão concluir com sucesso,
          todas as travas do repositório que forem mencionadas são
          liberadas—<emphasis>até mesmo em arquivos que não foram
          submetidos</emphasis>.  Isto é utilizado para que os usuários não
@@ -2214,7 +2214,7 @@

        <para>Agora, a tentativa inicial de Sally para destravar falhou  
porque ela
          executou <command>svn unlock</command> diretamente em sua cópia de  
trabalho
-        do arquivo, e nenhum sinal de trava estava presente.  Para removee  
a
+        do arquivo, e nenhum sinal de trava estava presente.  Para remover  
a
          trava diretamente do repositório, ela precisa passar uma URL
          para <command>svn unlock</command>.  Sua primeira tentativa para  
destravar
          a URL falhou, porque ela não pode autenticar como a proprietária
@@ -2225,13 +2225,13 @@

        <para>Simplesmente quebrar uma trava pode não ser suficiente.  No
          exemplo atual, Sally pode não somente querer quebrar a trava  
esquecida
-        a longo prazo por Harry, mas também re-travar o arquivo para seu  
próprio uso.
+        a longo prazo por Harry, mas também retravar o arquivo para seu  
próprio uso.
          Ela pode realizar isto executando <command>svn unlock
          --force</command> e então <command>svn lock</command>
          logo em seguida, mas existe uma pequena chance de que outra pessoa
          possa travar o arquivo entre os dois comandos.  Uma coisa mais  
simples
          é <firstterm>roubar</firstterm> a trava, que envolve
-        quebrar e re-travar o arquivo em um passo atômico.  Para
+        quebrar e retravar o arquivo em um passo atômico.  Para
          fazer isto, Sally passa a opção <option>--force</option>
          para <command>svn lock</command>:</para>

@@ -2269,7 +2269,7 @@
          <literal>B</literal> (<foreignphrase>Broken</foreignphrase>)  
próximo ao arquivo.  Se uma
          nova trava existe no lugar da anterior, então um símbolo
          <literal>T</literal> (<foreignphrase>sTolen</foreignphrase>) é  
mostrado.  Finalmente,
-        <command>svn update</command> relata os sinais de trava existos
+        <command>svn update</command> relata os sinais de trava existentes
          e os remove da cópia de trabalho.</para>

        <sidebar>
@@ -2297,7 +2297,7 @@
            certo usuário pode quebrar ou roubar uma trava.  Os ganchos
            <filename>post-lock</filename> e
            <filename>post-unlock</filename> também estão disponíveis,
-          e podem ser usados para enviar email após ações de travamento.   
Para
+          e podem ser usados para enviar e-mail após ações de travamento.   
Para
            aprender mais sobre ganhos de repositório, veja <xref
            linkend="svn.reposadmin.create.hooks" />.</para>

@@ -2312,7 +2312,7 @@
        <para>Vimos como <command>svn lock</command>
          e <command>svn unlock</command> podem ser usados para criar,
          liberar, quebrar, e roubar travas.  Isso satisfaz o objetivo de
-        serializar o accesso a submissões de um arquivo.  Mas o que  
aconteceu
+        serializar o acesso a submissões de um arquivo.  Mas o que  
aconteceu
          com o maior problema da prevenção de perda de tempo?</para>

        <para>Por exemplo, suponha que Harry trave um arquivo de imagem e,  
em seguida,
@@ -2424,7 +2424,7 @@
        <command>svn propset</command> ou <command>svn
        propedit</command> (veja <xref linkend="svn.advanced.props.manip"/>).
        Essa propriedade pode ser configurada em qualquer diretório sob
-      controle de versão, e seu valor é uma tabela multi-linha de
+      controle de versão, e seu valor é uma tabela multilinha de
        subdiretórios (relativos ao diretório sob controle de versão no
        qual a propriedade está configurada), opções de revisão, e URLs
        absolutas (totalmente qualificadas) de repositórios  
Subversion.</para>
@@ -2711,7 +2711,7 @@
      <para>Mas e sobre as revisões dadas por <option>--revision  
(-r)</option>,
        as quais falamos tanto neste livro?  Essas revisões (ou conjuntos de
        revisões) são chamadas de <firstterm>revisões operativas</firstterm>  
(ou
-      <firstterm>intervalos de revisões operativas</firstterm>).  Uma vez  
qua
+      <firstterm>intervalos de revisões operativas</firstterm>).  Uma vez  
que
        uma linha em particular do histórico tenha sido identificada  
usando-se um
        caminho e uma revisão marcadora, o Subversion executa a operação
        requisitada usando a(s) revisão(ões) operativa(s).  Para relacionar  
isto
@@ -2723,8 +2723,8 @@
            Center</quote>?  Parece apropriado….</para>
        </footnote>
        poderíamos pensar na <quote>Main Street</quote> como nosso caminho e  
em
-      <quote>Wheaton</quote> como nossa revisão marcadora.  Estes dois  
pedaçoes
-      de informaçao identificam um único caminho que pode ser percorrido  
(em
+      <quote>Wheaton</quote> como nossa revisão marcadora.  Estes dois  
pedaços
+      de informação identificam um único caminho que pode ser percorrido  
(em
        sentido sul ou sentido norte na Main Street), e que nos permitir  
andar
        para cima e para baixo na Main Street ao acaso na busca pelo nosso
        destino.  Agora temos <quote>606 N.</quote> como nossa revisão  
operativa,
@@ -2736,7 +2736,7 @@

        <para>O Subversion em linha de comando executa o algoritmo de  
revisões
          marcadora a qualquer momento em que precise resolver possíveis
-        ambiguidades nos caminhos e revisões por ele providos.  Aqui está  
um
+        ambigüidades nos caminhos e revisões por ele providos.  Aqui está  
um
          exemplo de execução:</para>

        <screen>


More information about the svn-pt_br mailing list