[svnbook commit] r1928 - trunk/src/pt_BR/book

maxb svnbook-dev at red-bean.com
Wed Jan 11 13:50:43 CST 2006

Author: maxb
Date: Wed Jan 11 13:50:40 2006
New Revision: 1928


Merge the beginning of the translation from the abortive manually added,
rather than copied, pt_BR files.

* pt_BR/book/foreword.xml
* pt_BR/book/book.xml

Modified: trunk/src/pt_BR/book/book.xml
--- trunk/src/pt_BR/book/book.xml	(original)
+++ trunk/src/pt_BR/book/book.xml	Wed Jan 11 13:50:40 2006
@@ -21,16 +21,16 @@
 <book id="svn">
-  <title>Version Control with Subversion</title>
+  <title>Controle de Versão com Subversion</title>
   <!-- Using revnumber would be more appropriate, but our stylesheets -->
   <!-- don't seem to render it. -->
-  <subtitle>For Subversion 1.2</subtitle>
-  <subtitle>(book compiled from &svn.version;)</subtitle>
+  <subtitle>Para Subversion 1.2</subtitle>
+  <subtitle>(livro compilado de &svn.version;)</subtitle>
-    <edition>First</edition>
+    <edition>Primeira</edition>
@@ -56,7 +56,7 @@
-    <pagenums>350 pages (est.)</pagenums>
+    <pagenums>350 páginas (est.)</pagenums>
@@ -69,10 +69,10 @@
       <holder>C. Michael Pilato</holder>
-    <legalnotice><para>This work is licensed under the Creative
-      Commons Attribution License. To view a copy of this license,
-      visit <ulink url="http://creativecommons.org/licenses/by/2.0/"/>
-      or send a letter to Creative Commons, 559 Nathan Abbott Way,
+    <legalnotice><para>Este trabalho está licenciado sob a licença
+      Creative Commons Attribution License. Para ver uma cópia da licença,
+      visite <ulink url="http://creativecommons.org/licenses/by/2.0/"/>
+      ou envie uma carta para Creative Commons, 559 Nathan Abbott Way,
       Stanford, California 94305, USA.</para></legalnotice>

Modified: trunk/src/pt_BR/book/foreword.xml
--- trunk/src/pt_BR/book/foreword.xml	(original)
+++ trunk/src/pt_BR/book/foreword.xml	Wed Jan 11 13:50:40 2006
@@ -4,123 +4,142 @@
 ch00.xml. -->
 <preface id="svn.foreword">
-  <title>Foreword</title>
+  <title>Palavras Iniciais</title>
-    <para>A bad Frequently Asked Questions (FAQ) sheet is one that is
-      composed not of the questions people actually asked, but of the
-      questions the FAQ's author <emphasis>wished</emphasis> people
-      had asked.  Perhaps you've seen the type before:</para>
+    <para>Um FAQ (Frequently Asked Questions, que traduzido significa
+      <quote>perguntas feitas freqüentemente</quote>) ruim é um que
+      não é composto de questões que as pessoas realmente perguntaram,
+      mas de questões que o autor do FAQ <emphasis>desejou</emphasis>
+      que as pessoas tivessem perguntado. Talvez você já viu esse tipo
+      de pergunta antes:</para>
-      <para>Q: How can I use Glorbosoft XYZ to maximize team
-        productivity?</para>
+      <para>P: Como eu posso usar o Glorbosoft XYZ para maximizar a
+        produtividade do time?</para>
-      <para>A: Many of our customers want to know how they can
-        maximize productivity through our patented office groupware
-        innovations.  The answer is simple: first, click on the
-        <quote><literal>File</literal></quote> menu, scroll down to
-        <quote><literal>Increase Productivity</literal></quote>,
-        then…</para>
+      <para>R: Muitos de nossos consumidores querem saber como eles podem
+        maximizar a produtividade através de nossas inovações
+        patenteadas de groupware para escritório. A resposta é
+        simples: primeiro, clique no menu
+        <quote><literal>Arquivo</literal></quote>, desça até
+        <quote><literal>Aumentar Produtividade</literal></quote>,
+        então…</para>
-    <para>The problem with such FAQs is that they are not, in a
-      literal sense, FAQs at all.  No one ever called the tech support
-      line and asked, <quote>How can we maximize
-      productivity?</quote>.  Rather, people asked highly specific
-      questions, like, <quote>How can we change the calendaring system
-      to send reminders two days in advance instead of one?</quote>
-      and so on.  But it's a lot easier to make up imaginary
-      Frequently Asked Questions than it is to discover the real ones.
-      Compiling a true FAQ sheet requires a sustained, organized
-      effort: over the lifetime of the software, incoming questions
-      must be tracked, responses monitored, and all gathered into a
-      coherent, searchable whole that reflects the collective
-      experience of users in the wild.  It calls for the patient,
-      observant attitude of a field naturalist.  No grand
-      hypothesizing, no visionary pronouncements here—open eyes
-      and accurate note-taking are what's needed most.</para>
-    <para>What I love about this book is that it grew out of just such
-      a process, and shows it on every page.  It is the direct result
-      of the authors' encounters with users.  It began with Ben
-      Collins-Sussman's observation that people were asking the same
-      basic questions over and over on the Subversion mailing lists:
-      What are the standard workflows to use with Subversion?  Do
-      branches and tags work the same way as in other version control
-      systems?  How can I find out who made a particular change?</para>
-    <para>Frustrated at seeing the same questions day after day, Ben
-      worked intensely over a month in the summer of 2002 to write
-      <citetitle>The Subversion Handbook</citetitle>, a sixty page
-      manual that covered all the basics of using Subversion.  The
-      manual made no pretense of being complete, but it was
-      distributed with Subversion and got users over that initial hump
-      in the learning curve.  When O'Reilly and Associates decided to
-      publish a full-length Subversion book, the path of least
-      resistance was obvious: just expand the Subversion
-      handbook.</para>
-    <para>The three co-authors of the new book were thus presented
-      with an unusual opportunity.  Officially, their task was to
-      write a book top-down, starting from a table of contents and an
-      initial draft.  But they also had access to a steady
-      stream—indeed, an uncontrollable geyser—of bottom-up
-      source material.  Subversion was already in the hands of
-      thousands of early adopters, and those users were giving tons of
-      feedback, not only about Subversion, but about its existing
-      documentation.</para>
-    <para>During the entire time they wrote this book, Ben, Mike, and
-      Brian haunted the Subversion mailing lists and chat rooms
-      incessantly, carefully noting the problems users were having in
-      real-life situations.  Monitoring such feedback is part of their
-      job descriptions at CollabNet anyway, and it gave them a huge
-      advantage when they set out to document Subversion.  The book
-      they produced is grounded firmly in the bedrock of experience,
-      not in the shifting sands of wishful thinking; it combines the
-      best aspects of user manual and FAQ sheet.  This duality might
-      not be noticeable on a first reading.  Taken in order, front to
-      back, the book is simply a straightforward description of a
-      piece of software.  There's the overview, the obligatory guided
-      tour, the chapter on administrative configuration, some advanced
-      topics, and of course a command reference and troubleshooting
-      guide.  Only when you come back to it later, seeking the
-      solution to some specific problem, does its authenticity shine
-      out: the telling details that can only result from encounters
-      with the unexpected, the examples honed from genuine use cases,
-      and most of all the sensitivity to the user's needs and the
-      user's point of view.</para>
-    <para>Of course, no one can promise that this book will answer
-      every question you have about Subversion.  Sometimes, the
-      precision with which it anticipates your questions will seem
-      eerily telepathic; yet occasionally, you will stumble into a
-      hole in the community's knowledge, and come away empty-handed.
-      When this happens, the best thing you can do is email
-      <email>users at subversion.tigris.org</email> and present your
-      problem.  The authors are still there, still watching, and they
-      include not just the three listed on the cover, but many others
-      who contributed corrections and original material.  From the
-      community's point of view, solving your problem is merely a
-      pleasant side effect of a much larger project—namely,
-      slowly adjusting this book, and ultimately Subversion itself, to
-      more closely match the way people actually use it.  They are
-      eager to hear from you not merely because they can help you, but
-      because you can help them.  With Subversion as with all active
-      free software projects, <emphasis>you are not
-      alone</emphasis>.</para>
+    <!-- TODO: Achar tradução para 'field naturalist', ou usar o
+      nome de uma profissão semelhante, onde estão presentes a 
+      paciência e a atitude observadora. -->
+    <para>O problema com tais FAQs é que eles não são, em um sentido
+      literal, FAQs de verdade. Ninguém jamais telefonou para o
+      suporte técnico e perguntou: <quote>Como nós podemos maximizar a
+      produtividade?</quote>. Ao invés disso, as pessoas fazem questões
+      altamente específicas como: <quote>Como nós podemos mudar o
+      sistema de calendário para enviar lembretes dois dias antes ao
+      invés de um?</quote>, e assim por diante. Mas é muito mais fácil
+      produzir FAQs imaginários do que descobrir os reais. Compilar um
+      verdadeiro FAQ requer um esforço contínuo e organizado: durante
+      o tempo de vida do software, as questões que chegam devem ser
+      rastreadas, respostas devem ser monitoradas, e tudo deve ser
+      reunido em um todo coerente e pesquisável que reflete a
+      experiência coletiva de usuários na vida real. São necessárias a
+      paciência e a atitude observadora de um field naturalist.
+      Nenhuma grande teoria, nenhum pronunciamento visionário
+      aqui—olhos abertos e registros precisos são as coisas
+      mais necessárias.</para>
+    <para>O que eu mais gosto sobre este livro é que ele amadureceu
+      justamente desse processo. É o resultado direto do encontro dos
+      autores com os usuários. Começou com a observação de Ben
+      Collins-Sussman de que as pessoas estavam perguntando as mesmas
+      questões básicas repetidamente nas listas de discussão do
+      Subversion: Quais são os procedimentos padrões para usar o
+      Subversion? Branches e tags funcionam do mesmo jeito que em
+      outros sistemas de controle de versão? Como posso descobrir quem
+      fez uma determinada mudança?</para>
+    <para>Frustrado em ver as mesmas questões dia após dia, Ben
+      trabalhou intensamente por um mês no verão de 2002 para escrever
+      <citetitle>The Subversion Handbook</citetitle>, um manual de
+      sessenta páginas que cobria todos os conceitos básicos para usar
+      o Subversion. O manual não tinha pretensão de ser completo, mas
+      foi distribuído com o Subversion e levou os usuários além
+      daquele início da curva de aprendizado. Quando a O'Reilly and
+      Associates decidiu publicar o primeiro livro completo sobre
+      Subversion, o jeito mais fácil era óbvio: apenas expandir o
+      handbook do Subversion.
+      </para>
+    <!-- TODO: Achar melhor tradução para 'table of contents' - está
+      sendo usada a palavra 'índice'. -->
+    <!-- TODO: Nem todo mundo sabe o que é top-down e bottom-up. Top-down
+      é algo que começa no abstrato e termina nos detalhes.
+      Bottom-up é o contrário. Explicar de algumo modo esses
+      conceitos. -->
+    <para>Os três co-autores do novo livro estavam encarando uma
+      oportunidade incomum. Oficialmente, a sua tarefa era escrever um
+      livro no estilo top-down, começando de um índice e de um
+      rascunho inicial. Mas eles também tiveram acesso a uma
+      torrente—na verdade, um géiser incontrolável—de
+      material do tipo bottom-up. O Subversion já estava nas mãos de
+      milhares de antigos adeptos, e esses usuários estavam dando
+      toneladas de feedback, não apenas sobre o Subversion, mas sobre
+      sua documentação existente.</para>
+    <para>Durante todo o tempo que eles escreveram este livro, Ben,
+      Mike e Brian freqüentaram incessantemente as listas de discussão
+      e salas de bate-papo do Subversion, cuidadosamente notando os
+      problemas que os usuários estavam tendo em situações da vida
+      real. Monitorar tal feedback é algo que está na descrição da
+      função que eles têm na CollabNet, o que deu a eles uma enorme
+      vantagem quando eles se prepararam para começar a documentar o
+      Subversion. O livro que eles produziram está firmemente fundado
+      na rocha da experiência, não nas areias movediças da fantasia.
+      Ele combina os melhores aspectos de manual de usuário e FAQ.
+      Essa dualidade pode não ser notada na primeira leitura. Se
+      lido em ordem, do início ao fim, o livro é simplesmente uma
+      descrição direta de um pedaço de software. Há uma visão geral,
+      o tour obrigatório, o capítulo sobre configuração administrativa,
+      alguns tópicos avançados, e, claro, uma referência de comandos
+      e um guia para resolução de problemas. Apenas quando você volta
+      mais tarde procurando a solução para um problema específico, a
+      sua autenticidade então aparece: os detalhes reveladores que só
+      podem resultar de um encontro com o inesperado, os exemplos
+      afiados de genuínos casos de uso, e, mais do que tudo, a
+      sensibilidade às necessidades do usuário e o ponto de vista do
+      usuário.</para>
+    <para>Claro, ninguém pode prometer que este livro responderá a
+      todas as questões que você tiver sobre Subversion. Algumas
+      vezes, a precisão com que ele antecipa as suas questões
+      parecerá assustadoramente telepática; ainda que ocasionalmente,
+      você tropeçará em um buraco no conhecimento da comunidade, e
+      sairá com as mãos vazias. Quando isso acontecer, a melhor coisa
+      a fazer é enviar um e-mail para
+      <email>users at subversion.tigris.org</email> e apresentar o
+      seu problema. Os autores ainda estão lá, ainda observando, e
+      eles incluem não apenas os três listados na capa, mas muitos
+      outros que contribuíram com correções e material original. Do
+      ponto de vista da comunidade, resolver o seu problema é
+      meramente um agradável efeito colateral de um projeto muito
+      maior—que é ajustar este livro lentamente, e o
+      próprio Subversion em última instância, para corresponder cada
+      vez mais com o modo que as pessoas atualmente usam ele. Eles
+      estão ansiosos para ouvir de você, não meramente porque eles
+      podem ajudá-lo, mas porque você pode ajudá-los. Assim como em
+      qualquer outro projeto de software livre, <emphasis>você não
+      está sozinho com Subversion</emphasis>.</para>
-    <para>Let this book be your first companion.</para>
+    <para>Deixe este livro ser a sua principal companhia.</para>
-      </author>, Chicago, 14 March, 2004</para>
+      </author>, Chicago, 14 de Março de 2004.</para>

More information about the svnbook-dev mailing list